Hall-Araujo: Mestre Vitalino e artistas pernambucanos

Mestre Vitalino e artistas pernambucanos. Guacira Waldeck, ed. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, 2009. 48 pp.*

Avaliado por Lori Hall-Araujo

O Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular no Rio de Janeiro, Brasil, durante os meses de Dezembro de 2009 à Março de 2010, homenageou um dos artistas visuais mais reconhecidos de sua geração conhecido popularmente por Mestre Vitalino Pereira dos Santos (1909-1963). A exposição “Mestre Vitalino e artistas pernambucanos” incluía xilogravuras, esculturas em madeira e cerâmica feitas por ele e por outros artistas do Nordeste Pernambucano e podia ser retratada como “Arte Brasileira: do sertão à cidade.”

A antropóloga Guacira Waldeck, foi a responsável pela escrita e edição do catálogo da exposição na época. Suas considerações e textos sobre o impacto da obra de Mestre Vitalino na história das artes visuais brasileiras foram o maior trunfo desse breve catálogo. As muitas fotos que ilustravam o panfleto eram coloridas, porém pequenas e havia pouca informação contextual sobre os artistas e a arte pernambucana em geral.

No Brasil, durante os anos de 1930 e 1940, desenvolveu-se um grande interesse pelo folclore do país entre os artistas e intelectuais da época. Mario de Andrade, fundador do movimento de Arte Moderna, foi um dos grandes responsáveis pelo aumento da procura da arte Nordestina como uma arte distinta e repleta de estética autêntica. Para os Modernistas, a região do sertão Nordestino, era fonte direta de tradição e autenticidade brasileira. Esse mesmo interesse foi cultivado por estudiosos radicados nos EUA, como o antropólogo Gilberto Freire, que estudou na Columbia University com Franz Boas e René Ribeiro, que trabalhou com Melvile Herskovits na Northwestern University. Nos anos 60, Ribeiro publicou um catálogo que documentava o trabalho de Vitalino elevando o seu status de artesão anônimo para o de um artista figurativo de grande influência.

De acordo com o novo catálogo de Waldeck, a influência de Mestre Vitalino nas artes brasileiras não pode ser deixada de lado. Os elementos estéticos e o estilo simples de suas figuras retratadas descrevem o quotidiano da vida no Nordeste e podem ser vistas, com evidência, nas cerâmicas encontradas em lojas de souvenirs, feiras livres, galerias, museus e em lares brasileiros.

Traduzido por Roberta Crelier

Lori Hall-Araujo trabalhou como Gerente da Coleção de Indumentária do Chicago History Museum. Atualmente ela é candidata ao Doutorado no Departamento de Comunicação e Cultura da Indiana University. Seu foco de estudo concentra-se na vestimenta como prática corporal situada e sua pesquisa atual investiga o significado sócio-cultural de Carmen Miranda em diferentes ambientes sociais e.períodos da história.

* This work is licensed under the Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License. To view a copy of this license, visit http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/ or send a letter to Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California, 94105, USA.



Contributions to Museum Anthropology Review are published under various Creative Commons licenses, with the CC Attribution 4.0 International License now serving as the standard license.